Campanha de doação de livros infantis

Vamos participar da Campanha!!!



Campanha de arrecadação de livros (não didáticos), revistas teens e para crianças (pode ser em quandrinhos) para serem doados em comunidades carentes do RJ. Entrem em contato pelo e-mail alinewsilva@yahoo.com.br para saber como contribuir estando ou não no RJ.

Envie sugestões pelo twitter para @strela_cadente de nomes p/campanha de doações de livros.Concorra a 1 ingresso p/cinema(exceto3D)na sua cidade.Serão pesquisadas as sugestões p/exclusão dos homônimos.Caso o nome escolhido seja sugerido por diferentes participantes,ganha quem enviou 1ºEsperamos nomes criativos e alegres!! Boa Sorte. Receberemos as sugestões até o dia 30/7 até às 23:59.

Dia da Vovó


Hoje é o dia da vovó! Para prestar minha homenagem a doce figura representativa da infância, trago Dona Benta que durante muito tempo foi o referencial de avó para todos nós brasileiros. 
Hoje existem vovós de todos os jeitos e há quem diga que pode viver sem a mãe, mas sem uma avó... Impossível. Explico: nas comunidades do Rio de Janeiro, é muito comum a avó ser a responsável pelas crianças. 
Voltando a grande contadora de histórias Dona Benta, era ela que introduzia as crianças no mundo da leitura. Mandava preparar verdadeiros banquetes e tornava, com isso, os sonhos ainda mais criativos. 
Mais uma vez lembro da minha infância em que eu adorava a Cuca e ganhei de presente a coleção completa de O Sítio do Picapau Amarelo, que segundo minha mãe, só poderia ler a partir dos 12 anos. Engraçado, né? Pois a coleção amarelinha ficava bem guardada no meu armário e nunca cheguei a ler tudo. 
Quando comecei a dar aulas, consegui desenvolver durante um ano um projeto de leitura, que previa dentre outras coisas, a leitura diária de um capítulo da série. Não é que todos prestavam muita atenção? E nem havia apelo de imagens ou de qualquer outra mídia. Era a leitura pura e simples. Funcionava! Hábito da roça bom demais, que lembra minha avó sentada até hoje na varanda de casa contando suas histórias para quem quiser ouvir. Parabéns vovó!

África


Esse continente guarda nossas origens. Quando o conhecemos, logo percebemos porque somos "um pouco assim". Sabe quando conhecemos o pai ou a mãe de alguém? E aí pensamos: "Puxa! Como parecem!" Vocês podem pensar: "mas se eu nunca fui a África, como posso saber?". Simples! Conheça o povo e logo entenderá. Nossos irmãos da África estão em toda a parte em nossa cidade. Temos alguns alunos em nossa escola. Eles trazem seus costumes, sua roupa e até seu dialeto para o nosso convívio.
Na sexta-feira (22/07) fui ao I Encontro de Cultura Afro-brasileira - África Diversa.Visitei a exposição As várias Áfricas do lado de lá do Atlântico, no Centro de Artes Calouste Gulbenkian. E claro, trouxe um pedacinho para postar neste blog. Fotografei uma escultura e poesias para que sintam o gostinho e visitem. Ao final da visita, ouvi e dancei ao som do jongo. Cores, versos, música, histórias... Saí inebriada com a atmosfera afro-brasileira que lá se formou. Caía uma chuva densa e corri para o táxi ainda refletindo sobre quem somos nós. 
O evento ocorrerá de 17 de julho a 4 de setembro, em diversos espaços. Vale a pena conferir. 
O link abaixo é da página da Secretaria Municipal de Cultura que trás informações gerais sobre o evento:
I Encontro de Cultura Afro-brasileira