História do boi leitão ou do vaqueiro que não mentia

Um dos posts mais visualizados deste blog foi o de Literatura de Cordel. Então resolvi estendê-lo postando A HISTÓRIA DO BOI LEITÃO OU O VAQUEIRO QUE NÃO MENTIA. Versos bons, de agradável leitura de Francisco Firmino de Paula que nasceu na Paraíba e faleceu em Recife ainda na década de 60.
É uma história de amor que transmite bons valores como a honestidade. Vale a pena ler.


Vou colocar algumas estrofes.

HISTÓRIA DO BOI LEITÃO OU O VAQUEIRO QUE NÃO MENTIA

Numa cidade distante
há muito tempo existiu
um distinto fazendeiro
o mais rico que se viu
e tinha um jovem vaqueiro
homem que nunca mentiu.

Também esse fazendeiro
muitas lojas possuía
tinha muitos empregados
porém ele garantia
que só aquele vaqueiro
era sério e não mentia

Seus amigos em palestras
exclamavam admirados
porque é que entre tantos
homens nobres empregados
somente um rude vaqueiro
é quem não causa cuidado?

Respondia o fazendeiro:
tudo é nobre e decente
porém capaz de mentir
digo conscientemente
mas Dorgival meu vaqueiro
por forma nenhuma mente.

(...)

Juntaram-se 10 amigos
e mandaram o fazendeiro
inventar uma cilada
pra Dorgival o vaqueiro
cair na falta, pra verem
se ele era verdadeiro.

(...)

Concordaram e a aposta
fecharam rapidamente
dizendo: esperaremos
o dia conveniente
e provaremos doutor
que o seu vaqueiro mente.

(...)

O doutor chamou a filha
disse: vá com a criada
amanhã logo cedinho
na fazenda da jangada
do vaqueiro Dorgival
se faça de namorada.

(...)

Esta é uma colaboração da professora Nadir (professora de educação física da E. M. Tia Ciata) amante da Literatura e do Cinema, que cedeu gentilmente o livro de Sebastião Nunes Batista - Antologia da Literatura de Cordel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário