O beijo da palavrinha

A história se chama "O beijo da palavrinha". Ela toca o real sentido da Literatura. É uma história infantil, escrita pelo moçambicano Mia Couto.
Mia Couto nasceu em 1955. É biólogo, contista, cronista e romancista. Ganhou em 1999, o Prêmio Vergílio Ferreira pelo conjunto da obra.
continua...

AFRICANAS...

Dentro de uma linha que contempla a Literatura Universal meu próximo post será um conto africano. Desculpem-me o atraso. Gosto das histórias de Literatura Africana de Língua Portuguesa. Acho q esses países têm um q de nossas raízes e tb muita admiração por nós. Se quiserem, enviem sugestões...

A cigarra e a formiga


Tendo a cigarra em cantigas
Folgado todo o verão,
Achou-se em penúria extrema
Na tormentosa estação.

Não lhe restando migalha
Que trincasse a tagarela
foi valer-se da formiga,
Que morava perto dela.

Rogu-lhe que lhe emprestasse,
Pois tinha riqueza e brio,
Algum grão com que manter-se
Té voltar o aceso estio.

A formiga nunca empresta,
Nunca dá, por isso junta.
"No verão em que lidavas?"
À pedinte ela pergunta.


Responde a outra: "Eu cantava
Noite e dia, a toda hora".
- Oh! Bravo! - torna a formiga -
Cantavas? Pois dança agora!"

(Tradução Bocage)


A cigarra e as formigas
Durante o inverno, as formigas trabalhavam para secar o grão úmido, quando uma cigarra, faminta lhes pediu algo para comer. As formigas lhe perguntaram: “Por que, no verão, não reservaste também o teu alimento?”. E a cigarra respondeu: “Não tinha tempo, pois cantava, alegrando o mundo com minha melodia.” E as formigas, rindo, disseram: “Pois bem, se cantavas no verão, dança agora no inverno.”
Moral: Descuidar de certos trabalhos pode trazer tristeza e falhas.

Fabulando...



Nossa primeira história é uma fábula. As fábulas são pequenas histórias com finalidade educativa. Elas sempre ensinam alguma coisa, por isso, tem uma moral no final. No início, essas histórias eram contadas para os adultos.
Um grande contador de histórias foi, possivelmente Esopo, um fabulista da Grécia Antiga. Suas histórias foram reunidas antes mesmo de Cristo nascer. Porém, ninguém tem certeza absoluta de que ele realmente existiu. Existem algumas versões que falam de sua existência e outras que a negam. O importante mesmo é o fabuloso produto de sua obra.

Pra começar...

Por que os clássicos?

Esta ideia partiu da leitura do livro de Calvino chamado Por que ler os clássicos.


A cada semana irei postar um conto ou uma fábula em diferentes versões, com o objetivo de apresentar e divulgar a origem de nossas velhas e importantes histórias, que até hoje inspiram novas histórias.


"Os clássicos são aqueles livros dos quais, em geral, se ouve dizer: 'Estou relendo...' e nunca 'Estou lendo...'."
Ítalo Calvino